Entre na rede social:

Powered by OneAll Social Login
Home Artigos Magnetita


O sistema cristalino cúbico conferem à magnetita ter dois tipos de spins cuja propriedade ferrimagnética entre 850 e 127 K. Em 850 K a magnetita apresenta a transição Curie e 127 K a transição Verwey.
Seu arranjo cristalino conferem à magnetita a capacidade de ter propriedades magnéticas, permitindo-a de ser usada nas antigas cabeças de gravação, na fitas cassetes, no armazenamento de informações, filmes finos, em trems balas, mais recentemente no tratamento e diagnóstico do câncer etc.

 

Na natureza, a magnetita é encontrada incrustada em rochas (Figura 2) e solo, Por causa dos seus processos de formação é normal encontrar em sua estrutura cúbicas cátions, que são diferente do Fe. A presença desses cátions substituintes do Fe fizeram com que alguns autores considerassem a magnetita uma fonte de nutrientes para o solo. Esse processo ocorre durante a sua transformação a hematita (gama-Fe2O3).

A magnetita também é encontrada em bacterias (magnetospirillum, magnetotacticum) e em cerebros de abellhas, de cupins, de alguns pássaros e até mesmo em cérebros humanos. Acredita-se que os cristais de magnetitas estão involvidos na magnetorecepção, no senso de polaridade ou inclinação do campo gravitacional da Terra.
Na área biomédica, a magnetita tem sido utilizada na nanotecnologia (ou nanobiotecnologia). Dadas as suas propriedades físicas e químicas esse óxido de ferro possui potencial para produzir avanços importantes no diagnóstico por imagem e terapêutica do câncer.

A imunolocalização de células tumorais com o uso de magnetita é feita com suas nanopartículas que tem propriedades superparamagnéticas o que permite obter a detecção precoce de tumores e micrometástases por ressonância magnética nuclear. A impregnação de células tumorais com nanopartículas de magnetita também pode facilitar a erradicação de tumores, mediante uma lise celular focal e dirigida pelo processo de magneto-hipertermia. A questão a ser resolvida nesse tipo de tratamento é a incorporação da magnetita pelas células cancerígenas. A Figura 3 mostra uma proposição para a incorporação da magnetita com dextrana.

 

Comentários   

 
0 #3 Liiks.sz 05-11-2013 19:46
maneiiro maneiiro .... ;-)
Citar
 
 
-2 #2 maria 01-07-2013 19:18
adoreeeeeeeeeii iiiiiii :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :zzz :zzz :zzz :zzz :zzz :zzz :zzz
Citar
 
 
0 #1 patricia 01-07-2013 19:16
eu nao consigo ler letra muito pequena :-x :sigh: :roll: :zzz :-x :-? :oops:
Citar
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar



Fornecido por Joomla!. Designed by: joomla 1.5 themes  Valid XHTML and CSS.